12 de agosto de 2022


Dia da Cultura tem festa com Fernanda na ABL


05/11/2021


Fernanda Montenegro na ABL salva festa do Dia da Cultura

Parabéns para nossa Fernandona que ocupa desde ontem a cadeira 17 da Academia Brasileira de Letras. Sempre indignada com as atitudes negativas das autoridades da área ela recebeu de amigos a Oração de São Francisco para rezar pela melhoria do país e, certamente, vai divertir os companheiros com seu delicioso papo nos chá das quintas. Além de ser mais uma mulher que fura o bloqueio masculino de uma instituição com 124 anos que caiu na real e abriu suas cadeiras para os artistas pelo conjunto da obra. Gilberto Gil chega lá dia 11. E os baianos estão em alta: o programa da Radio Batuta (IMS) “No tabuleiro da baiana” traz Maria Bethânia cantando e declamando. No ABI Esportes um dos assuntos são os juízes gays assumidos e o Macunaíma exibe Terra dos Índios de Zelito Viana. No cinema, Marighella bomba e on line tem Festival Chinês e o Ditadura nunca mais. A série Narcos,com Wagner Moura volta em mais uma temporada e a novela Um lugar ao sol estreia na TV Globo. O Festival de Periferia (FLUP) acontece, a biografia de João Gilberto, de Zuza Homem de Mello já na praça, além de As doenças do Brasil, de Valter Hugo Mãe. Músicas de Gloria Groove e os álbuns de Nelson Freire e Ney Matogrosso são boas Dicas. E tem ainda vários shows grátis presencial no centro da cidade como a volta da Banca do André na Cinelândia e sua happy hour na rua. E tem também on line de música clássica, MPB e peças teatrais. Mas não dá para aglomerar ainda e use máscara. Boa semana.

Por Vera Perfeito, diretora de Cultura e Lazer da ABI

NA ABI

Segunda-feira

19h30 – ABI Esportescom apresentação do jornalista Marcos Gomes a pauta é:  Os times das fábricas e os árbitros gays que se destacaram no  futebol. O prof. Bernardo Buarque de Hollanda, coautor do livro “Futebol e Mundos do Trabalho no Brasil”, e a jornalista Anna Davies, coautora do livro “Parada Dura”, são os convidados do ABI Esporte de hoje. Em Futebol e Mundos do Trabalho no Brasil os autores Bernardo Buarque de Hollanda e Paulo Fontes oferecem “texturas sobre adventos relevantes do futebol brasileiro, como os times das fábricas e a influência britânica, a luta pelo futebol feminino entre 1920 e 1980, os clubes amadores de São Paulo nas décadas de 1940 e 1950 e a origem do futebol como profissão, entre outros”. Os jornalistas Anna Davies e Carlos Nobre (in memoriam) narram em Parada Dura a jornada de herói de Paulino Rodrigues (“Borboleta”) e as histórias de “Margarida” (Jorge Emiliano dos Santos) e “Bianca” (Walter Senra), o trio de árbitros de futebol declaradamente gays, que abalaram a cena esportiva do Rio de Janeiro e do Brasil.O programa vai ao ar pelo canal da ABI no Youtube – bit.ly/3uZn84f.

 Terça-feira

19h30 – Cineclube Macunaíma exibe hoje Terra dos índios (1979), de Zelito Vianna. Reunião de depoimentos de índios brasileiros sobre os interesses da Funai, das multinacionais e dos latifundiários por trás da desastrosa política de emancipação indígena. O documentário de 105 minutos retrata os povos indígenas remanescentes no Brasil, especialmente no estado do Mato Grosso do Sul. Em meio a problemas causados pela ocupação irregular das terras de reservas indígenas, essas populações lutam para preservar suas identidades culturais. Narração de Fernanda Montenegro. Depoimentos de Darcy Ribeiro, Marçal de Souza, Tzeremodzé Mário e Ângelo Cretã. Às 19h30, haverá debate sobre o filme com participação do cineasta Silvio Tendler e convidados. A mediação é do jornalista Ricardo Cota. Assista pelo canal da ABI do YouTube.

Quinta-feira

19h30 Rumos do Jornalismo– apresentação da jornalista Andrea Penna, diretora de Jornalismo da ABI. Pelo canal da Associação Brasileira de Imprensa do YouTube.

 

TELEVISÃO E REDES SOCIAIS

 

21hsSegunda-feira naTV GLOBO: Um lugar ao sol, a nova novela das nove da Globo de Lícia Manzo, estreia hoje . Separados desde pequenos, os gêmeos Christian e Christofer crescem em realidades opostas. Quando finalmente se encontram, aos 18 anos, uma reviravolta muda a vida de Christian e de todos ao seu redor. Christofer que recebeu o nome de Renato ao ser adotado por uma família rica, no entanto, não aproveitará sua vida ao lado do parente e acabará morto em uma tragédia. Cristian decidirá assumir a vida do irmão. O protagonista é Cauã Raymond que tem seu irmão na vida real, Pável, oito anos mais novo como dublê. Cauã interpreta os gêmeos Christian e Cristofer, separados antes de completarem um ano de idade. Cristofer é adotado por um casal do Rio de Janeiro e Christian fica com o pai humilde que sem poder sustentá-lo o envia para um abrigo.  No elenco, Alinne Moraes e Andreia Horta fazem o triângulo amoroso principal com Cauã. Marieta Severo, Claudia Mauro e Andrea Beltrão também estão na telenovela. “Sulamericano” é o tema musical com participação de Manu Chao.

 

19hsTerça-feiraINSTAGRAM  Nós por todas estreia hoje e tratará dos temas ligados ao universo feminino capitaneado pela atriz Maria Eduarda Carvalho e com a presença da  escritora Martha Medeiros. Eduarda fez várias lives diretamente de sua casa.

 

 

YouTube – O programa O Abrasileirar estreou esta semana em novo canal do YouTube quando a mixologista Néli Pereira abre seus segredos ao ensinar receitas de coquetéis, além de contar curiosidades sobre a cultura nacional e os saberes e sabores locais. O programa inicial foi sobre a catuaba.

 

TV CULTURA/YOUTUBERoda Viva: a entrevista com Wagner Moura foi a mais vista do programa no YouTube com mais de 426 mil visualizações. Zezé Motta e Anielle Franco estão entre as próximas atrações.

 

FESTIVAIS DE CINEMA

Aproveitando o lançamento do filme “MARIGHELLA”, o ESTAÇÃO NET e a CAVIDEO organizam a MOSTRA:  “DITADURA NUNCA MAIS! – filmes para não esquecer“. São 15 longas metragens que mostram e discutem a ditadura no Brasil e a mostra acontecerá PRESENCIALMENTE no cinema Estação Net Rio nas próximas segunda-feira (8), terça-feira (9) e quarta-feira (10).Filmes da Mostra:

LAMARCA – dir: Sergio Resende – tempo: 130 minutos; JANGO – dir: Silvio Tendler – tempo: 115 minutos; MARIGHELLA – RETRATO FALADO DO GUERRILHEIRO dir: Silvio Tendler – tempo: 55 minutos; SETENTA – dir: Emilia Silveira – tempo: 96 minutos; TORRE DAS DONZELAS – dir: Susanna Lira – tempo: 97 minutos; CIDADÃO BOILESEN – dir: Chaim Litewski – tempo; 91 minutos; DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO – dir: Pedro Asbeg – tempo: 90 minutos; DEPOIS DO VENDAVAL – dir: José Carlos Asbeg, Sergio Peo e Luiz Arnaldo Campos – tempo: 83 minutos; REPORT ON TORTURE – dir: Saul Landau e Haskell Wesler – tempo: 60 minutos; UMA LONGA VIAGEM – dir: Lucia Murat – tempo: 94 minutos; GALERIA F – dir: Emilia Silveira – tempo: 87 minutos; CODINOME CLEMENTE – dir: Isa Albuquerque – tempo: 100 minutos; MISSÃO 115 – dir: Silvio Da-Rin – tempo; 87 minutos; MARCOS MEDEIROS – CODINOME VAMPIRO – dir: Vicente Duque Estrada – tempo: 84 minutos; MARIGHELLA – dir: Isa Ferraz – tempo: 100 minutos. Site: www.grupoestacao.com.br. R$16,00  e R$8,00Pacote com todos os filmes R$80,00.

 

6ª Mostra do Cinema Chinês em São Paulo do Instituto Confúcio da UNESP

Até o dia 20 de novembro estarão em exibição 10 filmes chineses 100% on-line, gratuito e com legendas em português. Basta você se inscrever e receberá o link de acesso exclusivo em seu email para as exibições. Acompanhe a programação também pelo instagram do InstitutoConfucio.

Com a curadoria de Wang Yao, pesquisador-assistente do Instituto de Cultura Cinematográfica da China da Academia de Cinema de Pequim, os filmes abordam questões sociais ligadas ao zeitgeist atual, com o objetivo de alimentar o intercâmbio cultural entre os dois países e construir uma cultura de positividade.

Os filmes são:

Tudo ou nada (Indicado ao Golden Goblet de melhor documentário no Festival Internacional de Cinema de Xangai e ao melhor documentário no FIRST International Film Festival, ambos na edição 2021do diretor Zhou Hao e disponível até dia 7/11). Este filme será exibido pela primeira vez fora da China durante a 6ª Mostra. Explora a vida de duas pessoas de meia-idade que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e registra sua busca por redenção. Tong Mei perde o pai aos três anos e, mais tarde, o marido em um acidente de carro. Aos 12 anos,, Yao Sunteck é molestado por um estranho ao sse esconder da chuva e desde então se isola. A chegada da equipe de filmagem reabre feridas antigas.

O balão (disponível até 8/11/ de Pema Tseden, que recebeu mais de 22 prêmios internacionais, entre eles um especial em Veneza ). Por causa de um reservativo, a família de Darje enfrenta uma série de decisões difíceis e constrangedouras. Nos anos 1990, no planalto tibetano, Darje e Drolkar vivem serenamente com os três filhos e o avô, mas uma gravidez inesperada acaba com a harmonia e tranquilidade em família.  No ciclo de vida e morte o que é mais importante: a alma ou a realidade?

A arca do Sr. Chow (disponível até 9/11) –  de XIAO Yang– Um grupo de adolescentes promissores é selecionado para um programa especial para jovens gênios. Ali, terão de lidar com sua falta de habilidade social perante os colegas “normais”. Melhor Ator no International Chinese Film Festival, 2015.


HOJE
– 21h – Aves suburbanas (disponível até 10/11)- de Qiu Sheng, indicado a melhor filme de estreia e Leopardo de Ouro da seção Cineastas do Presente no Festival Internacional de Cinema de Locarno – Uma equipe de engenheiros é enviada para investigar a subsidência do solo na periferia da cidade. Depois de dias examinando a área já esvaziada, o engenheiro Hao entra em uma escola primária e encontra um diário que narra a história de um garoto e a separação de um grupo de amigos. Enquanto investiga, ele descobre uma estranha conexão com esse diário.Prêmios: Melhor Longa Narrativo no FIRST International Film Festival, Prêmio NETPAC no International Film Festival & Award Macau, Prêmio Especial do Júri no Festival Internacional de Cinema de São Francisco, 2019, Indicado a Melhor Filme de Estreia e Leopardo de Ouro da seção Cineastas do Presente no Festival Internacional de Cinema de Locarno, Indicado a Melhor Filme, Competição Novos Diretores na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, 2018.

AMANHÃ – 21h – Quatro primaveras ( disponível até 11/11/ de Lu Qingyi, indicado a melhor documentário no Golden Horse Film Festival) – Um documentário sobre o cotidiano de uma família na remota Dushan, cidade da província de Guizhou, no sudoeste da China. De forma subjetiva, as imagens registram a labuta diária, cantos, caminhadas na natureza, visitas de amigos e parentes, funerais, reuniões com colegas de escola e despedidas. Assim, o filme revela o estado de espírito dos dois personagens principais, os pais do próprio diretor, e suas atitudes perante uma perda irrecuperável.Prêmios: Melhor Documentário no FIRST International Film Festival, Prêmio do Júri para Melhor Documentário no Beijing Student Film Festival, Film of Merit no Shanghai Film Critics Awards.

DOMINGO – 19h – Um porto seguro (disponível até 12/11/ de Li Xiaofeng, indicado ao melhor filme no Festival Internacional de Macau e no Festival Internacional de Cinema de Xangai e Indicado ao Prêmio da Audiência na competição oficial no Glasgow Film Festival). Condenado por um homicídio culposo há 15 anos, um fugitivo retorna para casa, onde é assombrado por seu passado. Ele acaba metido em um esquema que envolve a filha de sua vítima e descobre o que aconteceu de fato naquele dia da sua adolescência.

7/11 – 19h – Yuan Longping (disponível até 13/11) – de SHI Fenghe– Yuan Longping é o nome de um dos maiores cientistas agrícolas do nosso tempo, um herói que será para sempre lembrado na China e em todo o mundo. Dedicou toda a vida à pesquisa do arroz híbrido e contribuiu de forma significativa para as ações globais de preservação da segurança alimentar e redução da pobreza. Seu falecimento em 22 de maio de 2021 foi uma grande perda para a ciência agrícola da China. O filme conta a turbulenta jornada do “pai do arroz híbrido” ao persistir nas suas pesquisas desde o final dos anos 1950.Prêmios: Ator Extraordinário e Filme Extraordinário do Prêmio Huabiao para Cinema.

 

8/11 – 19h – Quero uma vida com você (disponível até 14/11/ filme de estreia de Sha Mo, que arrecadou mais de US$ 50 milhões em bilheteria na China) – Qinyang é um trabalhador esforçado que está tentando juntar dinheiro para se casar com Yiyao, mas a realidade mantém o casal na pobreza e longe do sonho de um casamento feliz. Esgotado, ele desiste da relação para que ela possa encontrar alguém que lhe dê uma vida melhor. No entanto, depois de um telefonema da amada, ele precisa correr para tê-la de volta antes que seja tarde demais.

9/11 – 19h – O enigma da chegada (disponível até 20/11) – de SONG Wen– Nos anos 1990, quatro amigos se apaixonam por uma mesma menina: Dongdong. Depois de roubarem o combustível de um barco, eles sofrem retaliações e, como resultado, Dongdong desaparece misteriosamente. Anos mais tarde, os quatro se reencontram e são forçados a confrontar o passado e a verdade sobre o desaparecimento da garota.

10/11 – 19h – Turbilhão (disponível até 20 /11) – GAN Jianyu – Desesperado por dinheiro depois de perder no jogo mais uma vez, Liu aceita participar de um esquema que revende um carro não registrado. O golpe, aparentemente simples, se complica quando ele encontra uma menina no porta-malas do veículo.Prêmios: Indicado a Melhor Filme no Festival Internacional de Cinema de Xangai, Indicado ao Melhor Ator Coadjuvante no Festival Internacional de Cinema de Macau, Indicado ao Prêmio do Júri para Melhor Filme no Beijing Student Film Festival, 2020.

 

Com a curadoria de Wang Yao, pesquisador-assistente do Instituto de Cultura Cinematográfica da China da Academia de Cinema de Pequim, os filmes abordam questões sociais ligadas ao zeitgeist atual, com o objetivo de alimentar o intercâmbio cultural entre os dois países e construir uma cultura de positividade.

A 6ª Mostra de Cinema Chinês é promovida em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Amigos da Arte e será exibida na plataforma “Cultura em Casa”. Ela tem também o apoio do Centro Cultural São Paulo.

 

FILMES

 

Marighella : estreou nos cinemas o filme dirigido pelo ator Wagner Moura sobre o ativista política Carlos Marighella assassinado em São Paulo pelos integrantes da Operação Bandeirantes, incluindo o delegado Sergio Fleury, delegado do Dops paulista. Comandando um grupo de jovens guerrilheiros, Marighella tenta divulgar sua luta contra a ditadura para o povo brasileiro, mas a censura desacredita a revolução. Seu principal opositor é Lúcio, policial que o rotula como inimigo público (Bruno Gagliasso). Seu Jorge está muito bem no papel de Marighella. Na Rede Cinemark, Kinoplex, Espaço Itaú, Reserva Cultural Estação Net.

Uma história de família: de Werner Herzog no Espaço Itaú, Estação Net Rio, Estação Net Gávea. O filme é protagonizado por Yuichi Ishii, cofundador de uma organização japonesa que aluga atores para substituir parentes mortos ou ausentes, amigos desaparecidos, funcionários faltosos. No filme,Yuichu é contratado pela mãe de uma menina para se passar por seu pai e amenizar uma frustração íntima de anos . Ele encontra a “filha” no parque Yoyogi, em Tóquio, com suas cerejeiras em flor e conta as razões de tê-la abandonado. Enquanto  acompanha a crescente relação entre pai postiço e adolescente, o filme do cineasta alemão, de 79 anos, oferece uma visão sobre as diferentes atividades da empresa de Ishii, que empresta o nome ao título original (“Family Romance, LLC”). De funerais a cerimônias de casamento, passando por situações constrangedoras em ambiente de trabalho. O filme trata disso. O conceito de famílias artificiais é antigo, diz o diretor.

Alerta vermelho(NETFLIX) – o longa com a Mulher Maravilha (a israelense Gal Gadot, 36 anos e mãe de três filhas) na pele de uma vilã é a estreia do canal este mês, no dia 12. É o orçamento mais alto da indústria cinematográfica até hoje – U$ 200 milhões.  Gal dará vida a Bispo, uma ladra de obras de arte, a primeira vilã de sua carreira de uma das atrizes mais bem pagas do cinema, ao lado de Sofia Vergara e Angelina Jolie. Seus companheiros de set são Dwayne Johson, agente da Interpol, que vive à procura de dois dos ladrões de arte mais procurados do mundo, interpretados por ela e Ryan Reynolds. Bispo é atrevida, engraçada e nada correta. Na vida real é casada com um empresário, leva uma vida dona de casa nos intervalos de filmagens e serviu o Exército em Israel, tarefa obrigatória também para mulheres.

GLOBOPLAYNelson Freire (2003- 42 minutos) –  documentário de João Moreira Salles disponível no canal. A vida e a obra de Nelson Freire, um dos principais pianistas brasileiros da atualidade, falecido segunda-feira, retratadas por meio de 31 blocos temáticos que mostram o músico no Rio de Janeiro, São Paulo, França, Bélgica e Rússia. Imperdível.

SÉRIES

 

Mundo imersivo (Immersive word)Por meio de entrevistas com artistas, curadores e escritores, cada episódio de IMMERSIVE.WORLD explora um aspecto diferente da arte experiencial e das experiências imersivas. São 15 episódios em duas temporadas. Guto Barra e Tatiana Issa ganharam o Emmy americano pela série. Vai ao ar nos canais PBS e All Arts.

HBO (NOW) Cenas de um casamento: a série na HBO baseada no filme de Ingmar Bergman é maravilhosa e está bombando. Já a produção de 1973 do diretor sueco está no YouTube com legendas.

 

APPLE TV+

 

 Ted Lasso: a segunda temporada chegou ao fim,  mas vale a penas assistir todos os episódios porque a série recebeu 20 nomeações no Emmy 2021. Criador e protagonista, Jason Sudeikis h=ganhou como melhor ator e Hannah Waddingham e Brett Goldstein levaram respectivamente como atriz e diretor coadjuvantes. Ted Lasso foi ainda considerada a melhor comédia. É a aventura do treinador de um clube de futebol americano do interior dos EUA convidado para comandar a AFC

Richmond na Inglaterra. Ele não conhece direito as regras de futebol clássico, mas aceita. É uma situação cômica. Lasso é otimista  e é uma pavão. A trama elogia o bom humor inabalável. Na segunda temporada. Ted tem traumas e o enredo fica mais forte. É uma das melhores dramaturgias do ano.

 

The morning show a segunda temporada  já está exibindo o sétimo episódio (“La amara vita” ou “A vida amarga”) com Mitch Kessler (Steve Carell) na Itália, instalado num palazzo na Lombardia, perto de Bergamo onde houve um forte surto de Covid em 2020. Mitch faz quarentena e recebe a visita de Alex (Jennifer Aniston) que chega berrando e exige que ela faça um comunicado À imprensa, negando que tiveram um caso no passado. Os dois acabam de abraçando, trocam confidências e ela conta que acreditou ter engravidado dele e ele não entende porque caiu em desgraça com ela. Mitch não tem traquejo para esse mundo novo e seu final é trágico.

 

Dickinson: estreia amanhã a terceira e última temporada da série sobre a vida de Emily Dickinson que estreou em 2019 com Hailee Seinfels (nomeada ao Oscar como melhor atriz por Bravura Indômita). Alena Smith é a produtora e se encantou com a história da escrita e poeta americana que pouco saiu da casa dos pais e reclusa em seu quarto escrevia textos sobre questões de gênero, a paixão secreta pela melhor amiga e também cinhada, tabus da sociedade, relações familiares desgastadas e flerte com a morte. Para compor a história Alena se inspirou nos poemas, manuscritos e cartas de Emily para a família e amigos. Mostra uma Emily à frente de seu tempo.

 

NETFLIX

 

NARCOSa terceira temporada estreia hoje. A Netflix anunciou a renovação de Narcos: México em sua terceira temporada. A boa notícia é que a produção também volta com Wagner Moura, que interpretou Pablo Escobar nas duas temporadas de Narcos. O ator também fez participação em Narcos México e é o diretor de dois episódios na nova temporada. A continuação de Narcos: México deve trazer as consequências da prisão de Gallardo e a eterna guerra pelo controle do tráfico. O elenco segue com Scoot McNairy (Walt Breslin), José María Yazpik (Amado Carrillo Fuentes) e Alfonso Dosal (Benjamín Arellano Félix).

 

MAID: a série lançada no início de outubro é uma das mais assistidas atualmente. O abuso psicológico está presente em diferentes relações familiares e pode aparecer disfarçado de “zelo”. Alex (Margaret Qualley) foge com a filha a tiracolo de um companheiro abusador puxa o enredo de relações tóxicas: o pai que agrediu a mãe e ausente na educação da filha e os amigos que não conseguem entender a gravidade das violências psicológicas sofridas pela protagonista. E ainda a conflituosa convivência entre Alex e a mãe ( Andie MacDowell (mãe da atriz na vida real), que não dá apoio à jovem e a responsabiliza pelos problemas.

 

O homem das castanhas – o enredo tem início com uma série de assassinatos ocorridos em 1987. Um policial encontra a cena de um crime em uma casa numa área rural. Isso só será explicado mais tarde. Nos minutos seguintes, a ação acontece nos dias atuais, em bairros afastados do centro de Copenhague. A aventura transcorre às vésperas do outono com seus tons amarelo-avermelhado. O corpo de uma mulher com a mão decepada amarrado a uma árvore é achado perto de sua casa. Ao seu lado, está um bonequinho confeccionado com castanhas e e gravetos. O objeto é a única pista que os investigadores, Naia Thulin ( Danica Curcic) e Mark Hess (Mikkel Boe Folsgaard), acham. A morta tem um filho com autismo e um namorado. Diass mais tarde, outro crime parecido acontece, mas mais violento. Outra mãe de duas crianças é encontrada sem as duas mãos. Em outro lance, a ministra Rosa Hartung ( Iben Dorner) volta ao trabalho, após quase um ano afastada devido a uma tragédia:sua filha adolescente desapareceu. Um homem confessou tê-la matado e esquartejado. Ele está preso mas alegar não se lembrar de onde enterrou a vítima. A família de Rosa  – Steen (Esben Andersen), o marido, e o caçula Gustav (Louis Naess-Schmidt) – tenta se recuperar do acontecido. Ainda há a vida pessoal de Naia que é mãe solteira, tentando uma transferência para poder passar mais tempo com a filha pré-adolescente, Le (Liva Forsberg). O enredo pe de violência contra crianças, famílias disfuncionais e pedofilia.

 

Narcos: México – a partir de hoje. Ambientada na década de 1990, no ápice da globalização do tráfico de drogas, a terceira temporada acompanha a guerra que começa com a prisão de Félix. Agora independentes, os cartéis  se esforçam para sobreviver Às agitações políticas e à escalada de iolEncia, e surge uma nova geração de líderes do crime.

 

Assassinato do Primeiro Ministro –  a minissérie está no canal a partir de hoje e é uma interpretação fictícia de como Stig Engström, designer gráfico suspeito de do assassinato do primeiro -ministro sueco Olaf Palme, conseguiu enganar a Justiça co uma combinação de audácia, sorte e uma equioe de investigação confusa. Como a polícia o deixou escapar, mesmo sendo o principal suspeito?

 

STARZPLAY

 

Malayerba: Felix, Mariana e Ignacio são ambiciosos empresários apostando no mercado de cannabis medicinal, que acaba de ser legalizado na Colômbia. A KannaLab se torna um sucesso, mas o trio guarda um segredo: a empresa foi construída a partir de uma mentira fatal, e a jornalista Lola não descansará até descobrir a verdade.

 

Dr. Death: The undoctored story ( Dr.Morte: a história sem doutorado): a série documental em quarto partes segue a história do cirurgião Christopher Duntsch, que deixou 30 pacientes mutilados e dois mortos. A produção inclui entrevistas exclusivas para a TV com médicos advogados que levavam o Doutor Morte À Justiça, além de de poimentos de muitas de suas vítimas.

 

GLOBOPLAY mais dez capítulos de Verdades secretas 2 (episódios de 11 a 20) chegaram ao catálogo do canal com cenas de suspense, sexo e ambos. Na nova safra, o destaque será Lara (Julia Byrro), irmã de Gui (Gabriel Leone), falecido marido da protagonista Angel (Camila Queiroz). Byrro é a grande aposta da novela e é o primeiro trabalho como atriz da modelo de 20 anos. Lara chegará a São Paulo onde entrará para a agência de Blanche (Maria de Medeiros). Nos capítulos já disponíveis, a jovem foi obrigada a sair da escola depois da morte do irmão, que a ajudava financeiramente.  De volta à casa da mãe, ela vira alvo do padrasto, um homem violento que a deseja e passa a assediá-la. Revoltada com o rumo de sua vida, a moça escuta da mãe que a culpa de sua infelicidade é de Angel, que se recusou a ajudar a família após a morte do marido. Lara, então, decide que se tornará modelo como a cunhada – e jura vingança. Ela é descoberta por Visky (Rainer Cadete) nas redes sociais.

 

 

HBOSucession: está imperdível a terceira temporada de Sucession. No terceiro episódio (que foi exibido no domingo, à noite) Shiv (Sarah Snook), filha dosobe ao palco para falar para funcionários da Waystar Royco,  alguém liga a música “Rape me” (“Me estupre”), canção do Nirvana para atrapalhar o discurso. Era a presença incorpórea de Kendall (Jeremy Strong). Todos tentam espionar seus inimigos sem serem descobertos. Em vão. E Logan (Brian Cox) não aceita o FBI em cima dele. Imperdível.

 

 

10º FESTIVAL LITERÁRIO DE PERIFERIAS (FLUP) – a homenageada deste ano é Esperança Garcia, considerada a primeira mulher advogada do Piauí. Em 1770, a escravizada escreveu uma petição ao governador da Capitania em que denunciava as situações de violência pelas quais seus filhos e suas companheiras sofriam.

 

Hoje, amanhã e domingo: Slam Aby Ayala: 14 poetas das três Américas disputam vagas para a Copa do Mundo da Poesia, a ser realizada na Bélgica em 2022.

Até dia 8 de novembro: Slam Garcia Esperança- jovens de escolas públicas de sete estados participam do sarau sobre mulheres negras.

 

Domingo: Prêmio Ecio Sallas: a Flup homenageia dez parceiros fundamentais na sua história.

 

Flupix: a Flup disponibiliza debates e encontros virtuais. Emtre os destaques estão o rapper Emicida e o sociólogo portuguêBoaventura de Sousa que discutem a diáspora através da palavra falada e Djamila Ribeiro e Tanella Boni falam sobre a sabedoria das mulheres mais velhas. Os vídeos podem ser assistidos no  YouTube (https://www.youtube.com/c/FLUPRJ) e Facebook (https://www.facebook,com/FluoRJ).

 

LIVROS

20ª Bienal do Livro já estão à venda os ingressos para a bienal que acontece entre3 e 12 de dezembro no Riocentro com 70% da capacidade do local para visitação, uso de máscara e comprovante de vacinação. A compra é on line pelo site da Bienal. Este ano a bienal acontece em formado híbrido com transmissão pela plataforma Bienal 360º. Segundo o Secretário Municipal de Educação, Renan Ferreirinha, o público pode esperar um evento diferente de 2019 quando o ex-prefeito Marcelo Crivella perseguiu uma publicação de HQ de dois heróis que se beijavam na boca. A programação, pela primeira vez, será comandada por um coletivo de curadores que trabalharam ao redor do tema “Que história queremos contar a partir de agora?”. Para responder a essa questão foram convocados Thalita Rebouças, Conceição Evaristo, Itamar Vieira, Aílton Krenak, Pastor Henrique Vieira, Luiz Antonio Simas, Lulu Santos e Antonio Fagundes. Entre os escritores estrangeiros est~~ao confirmados o português Valter Hugo Mãe, a arg entina Mariana Enriquez e a americana Julia Quinn. A programação completa está no site da Bienal.

 

Lula, biografia, volume 1(R$74,90)  Fernando Morais, em pré-venda na Amazon. A aguardada biografia do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, escrita pelo jornalista e biógrafo Fernando Morais, entrou em pré-venda nesta segunda. O primeiro volume de “Lula” (Companhia das Letras e Penguin), de 416 páginas, será lançado oficialmente no dia 16 de novembro e já aparece em livrarias on-line custando R$ 74,90. Os bastidores da maior perseguição política ao ex-presidente Lula, os momentos históricos da sua vida e o legado em defesa da democracia serão contados na primeira biografia sobre um dos maiores líderes políticos internacionais.

O livro, que conta a trajetória pessoal e política de Lula e será dividido em dois volumes, começou a ser escrito em 2011 pelo jornalista Fernando Morais. Na primeira parte, que tem 416 páginas, o autor fala sobre a infância do ex-presidente, as greves do ABC Paulista quando ele foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, a fundação do Partido dos Trabalhadores (PT),  a primeira campanha eleitoral, o balanço dos seus governos como presidente da República, a prisão em 2019 e as anulações das condenações judiciais. O jornalista acompanhou Lula por uma década para escrever a sua biografia.

“Grudei nele a partir de 2011, logo que ele deixou a Presidência, antes de ele ser diagnosticado com câncer, para poder recuperar determinadas passagens, [saber dos] bastidores de governo. Era uma oportunidade de ouvi-lo dentro de um avião, por exemplo, longe de telefone, secretária, de audiência, isso e aquilo”, conta Fernando Morais.

 

Amoroso – Uma biografia de João Gilberto (Companhia das Letras, R$89,90) – Zuza Homem de Mello.  Está sendo lançada HOJE a biografia do cantor/compositor que morreu em julho de 2019, aos 88 anos, escrita pelo jornalista e pesquisador musical, com lançamento previsto para  5 de novembro. Zuza terminou o livro tarde da noite, em 3 de outubro de 2020, com uma dedicatória para sua mulher, Ercília, depois de passar dois anos em cima da obra. Deitou-se ao lado dela e morreu, dormindo, na madrugada do dia 4 de outubro de infarto, aos 87 anos em seu apartamento, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. — Tive um conhecimento valioso de João Gilberto, que poucos tiverem a chance de ter — ele reconhece. — O fato de nunca tê-lo entrevistado talvez tenha sido uma das razões da nossa amizade ter sido profunda, densa e aberta. Ele não se sentia pressionado quando a gente conversava sobre futebol ou sobre a vida, por exemplo. Fosse por telefone ou pessoalmente — conta Zuza, aos 86 anos (João teria feito 89 no dia 10 de junho). Zuza não escreveu nada sobre as encrencas judiciais e disputas familiares que marcaram os últimos anos de João e fez questão de evitá-las. Ele conclui que a música foi a única coisa que importou na vida de João Gilberto. Entre os episódios saborosos que o jornalista irá contar está uma noite, em 2000, em que recebeu um telefonema do ator e produtor Otávio Terceiro convidando-o, em nome de João Gilberto, para vir ao Rio participar da festa de Simão Isaac Benjó, advogado do compositor em seu imbróglio com a EMI/Odeon.  Benjó era um jurista e professor universitário, e faria uma grande festa com a promessa de um show surpresa de João. Zuza e a mulher Ercilia Lobo encontraram já todos muito bêbados quando Benjó anunciou o show de João naquela algazarra. Para espanto de Zuza, João entrou com seu violão, andando devagar, e, enquanto passava pelas mesas, aquela algazarra e o vozerio iam diminuindo. João pôs um microfone no violão, ajeitou o outro para cantar e… não só fez o show, como fez um show que o biógrafo chama de “deslumbrante num silêncio absoluto”. Entre os episódios saborosos que o jornalista irá contar está uma noite, em 2000, em que recebeu um telefonema do ator e produtor Otávio Terceiro convidando-o, em nome de João Gilberto, para vir ao Rio participar da festa de Simão Isaac Benjó, advogado do compositor em seu imbróglio com a EMI/Odeon.  Benjó era um jurista e professor universitário, e faria uma grande festa com a promessa de um show surpresa de João. Zuza e a mulher Ercilia Lobo encontraram já todos muito bêbados quando Benjó anunciou o show de João naquela algazarra. Para espanto de Zuza, o baiano de Juazeiro entrou com seu violão, andando devagar, e, enquanto passava pelas mesas, aquela algazarra e o vozerio iam diminuindo. João pôs um microfone no violão, ajeitou o outro para cantar e… não só fez o show, como fez um show que o biógrafo chama de “deslumbrante num silêncio absoluto”. No livro, João é retratado pela sua arte.De Salvador a Tóquio, passando por Nova York, Rio de Janeiro e Cidade do México, somos levados aos estúdios, teatros, bares, clubes e festivais por onde João circulou, e conhecemos os compositores, arranjadores, instrumentistas, produtores, jornalistas, técnicos de som e empresários que cruzaram seu caminho. Melômano de conhecimento enciclopédico, o autor reconstrói a trajetória musical de seu amigo e ídolo em prosa leve e alegre, sempre elegante e precisa ― como ensinou João. “Zuza foi justificadamente o mais respeitado jornalista e musicólogo brasileiro especializado em música brasileira e jazz. Ele era a própria excelência.” ― Wynton Marsalis. Outras biografias de João Gilberto: Chega de saudade: A história e as histórias da bossa nova, de Ruy Castro (1990), que centra bastante em João Gilberto; Bim bom: A contradição sem conflitos de João Gilberto (1999), do jornalista Walter Garcia, com prefácio de Caetano Veloso; Ho-ba-la-lá: À procura de João Gilberto (2010), do jornalista alemão Marc Fisher e esse livro inspirou o filme Onde anda você, João Gilberto (2018), do franco-suiço Georges Gachot; João Gilberto (2012), organizado por Walter Garcia, o luxuoso e raríssimo volume de mais de 500 páginas editado pela Cosac&Naify apresenta uma seleção de entrevistas do cantor e reúne depoimentos de pessoas que participaram de seu cotidiano, com Caymmi, Vinícius de Moraes, Caetano Veloso e o jornalista Mario Sergio Conti. João tentou, sem sucesso, recolher das livrarias o livro que passa a limpo a trajetória do artista.

O último duelo (Intrínseca ,R$ 49,90) – Eric Jager. O autor é especialista em história medieval e professor na Califórnia. O livro foi lançado em 2004, sendo reeditado agora. A obra narra a lendária disputa entre o nobre normando Jean de Carrouges e o escudeiro Jacques Le Gris, seu companheiro de corte, ocorrida em 1386. A amizade entre os dois é abalada quando Marguerite, mulher de Carrouges, acusa Le Gris de estupro. Certo de que o tribunal havia favorecido o rival, Carrouges fez um apelo formal que  resultou em um julgamento por combate, com luta até a morte. S o marido perdesse, Marguerite seria sentenciada à pena capital poir falso testemunho.  Muito pela repercussão negativa que a disputa provocou , acabou sendo o último duelo judicial já ocorrido – uma prática até então corrente na época. Apoiando-se em documentos históricos , em especial o relato da própria Marguerite, que, diz o autor, estudiosos ignoraram ao longo dos séculos, Jager recinstitui a estrutura feudal do século XIV e contextualiza  o cenário histórico com mais profundidade do que o filme de Ridley Scott em cartaz nos cinemas do Rio. Marguerite foi excepcional porque as mulheres, incluindo nobres e freiras, eram extremamente vulneráveis a ataques sexuais. E os homens da igreja – uma porcentagem alta de estupradores acusados – podiam d=se safar alegando “benefício do clero”, como o advogado de Jacques Le Gris o incentivou a fazer e, 1386. As mulheres precisavam do apoio do marido ou do pai para fazer as acusações, desestimulando a justiça em casos de incesto também. Estupro marital nem existia. A pena par ao estupro pode ser a morte, uma sentença mais severa do que na maioria das sociedades ocidentais hoje. O testemunho de Marguerite foio ignoirado pelas autoridades da época  e tabém por historiadores. O Oarlamento deve ter acreditado em Marguerite ou nunca teriam autorizado um julgamento por combate, coisa já rara na época. O livro termina com a afirmação de que nunca saberemos a verdade sobre o caso.

Volta ao mundo: um guia irreverente (Intrínseca, R$ 89,90) do chef americano Anthony Bourdain , que cometeu o suicídio em 2018, assinado em parceria com sua assistente Laurie Woolever. Ele cita recônditos secretos de Nova York a casas comunais de tribos em Bornéu; da vida cosmopolita em Buenos Aires, Paris e Xangai aos cenários de beleza extraordinária da Tanzânia e de solidão deslumbrante do deserto de Rub’ al-Khali, no Omã.Em Volta ao mundo, esse vasto conjunto de experiências é apresentado em forma de um guia de viagens divertido, prático e objetivo, oferecendo um gostinho dos lugares selecionados pela memória afetiva de Bourdain. Narrado por Laurie, o livro traz as declarações sempre irreverentes do próprio, extraídas de suas milhares de horas de viagens gravadas em vídeo.Com dicas preciosas de lugares onde comer e se hospedar — e, em alguns casos, a evitar — e de locomoção, o guia contextualiza inúmeros locais que o apresentador considerava encantadores, memoráveis e fundamentais. Do livro consta um capítulo dedicado ao Brasil onde Bourdain tinha amigos e faz elogios à caipirinha e a feijoada. Ele contou um episódio engraçado sobre o azeite de dendê que adorava. Alertou, porém, que se leva tempo para acostumar e na sua primeira vez comeu e correu para o banheiro durante horas, mas depois acostumou. Ele também praticou jiu-jítsu com Igor Gracie, em Nova York.

Elke: Mulher Maravilha (Todavia, R$69,90) – Chico Felitti. Concebido como audiolivro, este perfil biográfico conta a história da menina nascida na Alemanha que veio aso 4 anos para o brasil, onde se tornou uma personagem popular na TV nacional. Os relatos revisitam momentos como a prisão nos anos 1970 por ato contra a ditadura militar, seus estudos de Medicina, Filosofia e Letras e a ligação com figurinos de plumas e paetês que caracterizaram sua imagem.

Notas para um naufrágio (Ayiné 59,90) –  Davide Enia. O drama dis refugiados é o tema da obra. Misturando escrita documental e memória autobiográfica, o autor italiano retrata uma tragédia que marcou o ano de 2013: na ilha de Lampedusa, o naufrágio de um barco de imigrantes de Gana, Eritreia, Somália e Gana, que iam da Líbia para a Europa, deixou mais de 350 mortos. A reconstituição inclui versões de moradores, socorristas e sobreviventes da travessia.

Freud sem traumas (LeYa, R$40) – Alexandre Carvalho. Jornalista e estudioso da psicanálise, o autor pretende esclarecer conceitos recorrentes como ato falho e negação, muitas vezes usado de modo equivocado. Com o subtítulo “Para você entender, de uma vez, as teorias que desvendaram a mente humana e mudaram o mundo – e as nossas vidas”, o livro se propõe a elucidar o pensamento de Freud por meio de uma leitura leve e com toques de humor.

Violência doméstica (Dita Livros, R$58,90) –  Bianca Alves e Ticiana Oppel. O livro traz relatos de oito mulheres que foram vítimas de alguma forma de violência prevista na Lei Maria da Penha, além de traçar  uma evolução histórica sobre o assunto no Brasil  e no  mundo. São relatos que reconstituem momentos dolorosos, mas apontam caminhos para quebrar o ciclo de violência dentro de casa. Entre orientações sobre o tema, a obra traz também um glossário.

Ruy Castro – escritor das biografias de Carmen Miranda, Nelson Rodrigues e Garrincha, além de livros de reconstituição histórica, como o que resgata o nascimento da Bossa Nova, recebeu o prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra. Já receberam este prêmio Cecília Meireles, Guimarães Rosa, Rubem Fonseca, Silviano Santiago, Ferreira Gullar, Ana Maria Machado e Antonio Candido. O vencedor mais recente foi o historiador João José Reis.

Sobre feminismos (Editora Agir, R$39,90) – Andrea Pachá e Vilma Piedade. Os temas são urgentes, mas as autoras falam deles com leveza: desigualdade de gênero, envelhecimento em uma sociedade machista, referências feministas e suas lembranças e histórias. A desembargadora e escritora Andréa Pachá e a escritora e professora Vilma Piedade, em maio de 2020, com o mundo perdido em meio a pandemia, iniciaram encontros por videoconferência para falar sobre a desigualdade de gênero, envelhecimento em uma sociedade machista, referências feministas e suas lembranças e histórias. A obra é dividida em sete temas: Interseccionalidade e luta antirracista, Envelhecer em uma sociedade machista, Igualdades e desigualdades no feminismo, Sororidade e dororidade, Amor, solidão e sexualidade, Mulheres e maternidade, Questão de gênero, transfeminismo e perspectivas para o futuro. O conteúdo dessas conversas virou este livro que será lançado esta semana.

As doenças do Brasil (Biblioteca Azul, selo da Globo Livros) – Valter Hugo Mãe. O novo livro do escritor português – nascido, em 1971,  em Angola quando ainda era uma colônia lusa -, já lançado em Portugal, estará disponível no final deste mês no Brasil. O romance bota o dedo na ferida da colonização. No meio da noite, um negro fugido é acolhido numa aldeia e faz amizade com Honra, filho de uma indígena e de um estuprador branco. Ele escreve sobre os povos originários do Brasil porque os habitantes de seus territórios não imaginavam, segundo o autor, que seriam confiscados a fazer parte desse nome “Brasil”. Como terá sido entenderem-se parte desse nome criador do qual já não podem mais sair?  Mãe quis que o seu livro fosse a história do encontro do encontro dos povos vermelhos com os povos negros, resistindo ao mesmo inimigo. Ele se inspirou em leituras de Davi kopenawa e Ailton Krenak. Ele defende a forma de viver dos indígenas e considera ofensiva a dos brancos.Esta semana o escritor conversou virtualmente com o pensador indígena Ailton Krenak no Festival Literário Internacional de Itabira (Flitabira). De Vila do Conde, em Portugal, onde mora, o escritor deseja que o país possa superar “tempos de ódio” e “regressar à alegria”.

Homo integralis: Uma nova história possível para a Humanidade (leya Brasil, R$60) – Fe Cortez. A autora discorre sobre nossa capacidade para transformar o entorno e nossa responsabilidade com o futuro do planeta. Aqui, conta como pequenos atos de cidadania impactam até na nossa saúde mental. O livro começa com uma projeção do que poderia ser o Brasil no futuro se o país adotasse uma maneira de viver mais sustentável no pós-pandemia.  Ela acredita que despoluir a Baía de Guanabara é possível e em pouco tempo, mas precisamos ter vontade política para fechar os vazamentos de esgoto e limpar os metais pesados. E ainda que poderíamos nos vestir para uma reunião em um guarda- roupa  coletivo público. Fe relaciona o descaso com  o planeta com o surto de depressão que a OMS acredita  que será a doença que mais vai afetar a população mundial em 2030. Ela diz que se nada fizermos a nossa vida se tornará sem propósitos, sem perspectivas, À beira de um caos climático . E que precisamos mudar nossa lente e voltarmos a cooperar com a natureza.

Feminismo Branco – Das Sufregistas às Influenciadoras e Quem Elas Deixam para Trás (Harper Collins, R$34,94) –  Koa Beck. A jornalista estadunidense mostra como essas ativistas acumulam vantagens por serem  (ou parecerem) hetrossexuais, cisgêneros e de classe média  e como elas usam esses benefícios para perpetuar a opressão patriarcal contra outras mulheres. Koa é uma mulher birracial e lésbica, mas tem a pele clara e é “convencionalmente feminina”, o que leva as pessoas a tratarem-na como uma mulher branca e hétero. Aos 34 anos, coupou cargos  sênior em títulos femininos importantes como a revista Vogue, onde foi diretora execvutiva, além de Marie Claire e Glamour. Nessas publiacações testou a “virada feminista”, Ela diz que foi influente para o “feminismo branco”

Jornalismo Wando : Os personagens bizarros que explicam a nova política. (Mórula)- jornalista João Filho (Intercept Brasil). Em meados de 2011, o jornalista  estava no Twitter em uma conversa entre jornalistas que debochavam de um perfil comum do jornalista isentão, que tenta manter uma falsa pose de imparcialidade. Um dos jornalistas cunhou o apelido desse perfil de Jornalismo Wando. A conversa se alastrou e João decidiu criar o @JornalismoWando. Nos anos seguintes o personagem mudaria, ele escreve na apresentação, “assim como mudou o Brasil. As Jornadas de Junho, a derrubada de Dilma por pedaladas fiscais e o breve governo entreguista de Temerreviraram o país do avesso e o humor deu lugar ao combate”. O livro, em parceria com a editora Mórula, entrou em pré-venda esta semana. Ele traz uma seleção cuidadosa a partir de mais de 200 textos de João que cobriram nos últimos cinco anos tempos sombrios da nossa história, período em que assistimos à escalada da extrema direita.
A coletânea reúne 20 pequenas biografias de personagens bizarros que ajudam a explicar como viemos parar aqui. E o Intercept  nomeia  e classifica aqueles que emergiram com uma onda reacionária que colocou o governo Bolsonaro no poder. Entre eles estão, segundo o texto de apresentação do Intercept para os leitores: “Eduardo Cunha, raposa da velha política que pavimentou o caminho para a nova política; Ney Santos, prefeito ligado ao PCC; Luis Miranda, acusado por estelionatos que virou deputado e ganhou destaque na CPI da covid; Sergio Moro, o juiz fora da lei; Carla Zambelli, ex-integrante do Femen que virou monarquista e Samy Dana, o office boy do mercado financeiro”. Há ainda dois textos inéditos, especialmente para o livro que  ganha valor histórico, especialmente às vésperas de um ano eleitoral. Em 183 páginas, a leitura evidencia como personagens folclóricos saíram do submundo da política para ganhar protagonismo. O livro só foi possível graças ao apoio dos leitores e foi feito de forma totalmente independente, em parceria com a editora Mórula. Graças às doações  de mais de 11 mil apoiadores, o jornal pode pagar os profissionais envolvidos nesse projeto. Toda a renda gerada será investida no financiamento do jornalismo combativo do Intercept que não aceita dinheiro de anunciantes. Essa contribuições, segundo eles,  são mais uma fonte de receita que ajuda a viabilizar o trabalho do jornal. Quem apoiarcom R$ 20 ou mais até 10 de novembro ganha 20% de desconto no livro e frete grátis. Email:newsletter@emails.theintercept.com.

Depois é nunca (Bertrand Brasil, R$39,90): Fabrício Carpinejar.  O escritor gaúcho, patrono da 67ª Feira do Livro de Porto Alegre que se estende até dia 15, lança “Depois é nunca”, seu quarto livro em dois anos,  no qual os conselhos de amor dão lugar ao luto. Ele é autor de 47 livros que venderam 75 mil cópias e lhe deram dois prêmios Jabuti. Ele diz que, ao invés de dar conselhos amorosos nas redes sociais como fez há um tempo, agora ajuda a quem perdeu entes queridos para o coronavírus. E esse é o conteúdo do livro Depois é nunca que retrata a despedida e o luto em forma de crônicas sensíveis e emocionantes.Depois de focar na relação entre amigos, entre pais e filhos, entre marido e mulher, é chegada a hora de falar sobre aquela que é a única certeza que temos nessa vida: a morte. Nesse  livro,  Carpinejar tece envolventes e delicadas narrativas sobre o luto.Em crônicas que falam sobre o quanto não sabemos reagir ao luto, Carpinejar encontra palavras que possibilitam o fluxo nítido de pensamentos junto dos sentimentos, com a sabedoria de quem sabe mexer com a magia das palavras. Ele escreve como quem te escuta. As dores de amores perdidos, reparados, disfarçados, contidos, escondidos. Em Depois é nunca sua escrita é norteada pelo luto, pela saudade e pela esperança. Ele trata dos sentimentos e das angústias de uma maneira tão única e leve que até assuntos considerados tabu, como a morte, ganham um significado especial em linguagem simples. Seus textos ponderam sobre a intuição de que a morte vai chegar, e sobre o esforço feito para evitar as duas: a intuição e a morte. As memórias guardadas do derradeiro momento em que chega a notícia da morte de alguém. A incredulidade daquilo que já aconteceu e se demora a aceitar. A gratidão pela companhia dos momentos em vida, da memória boa que resta em quem fica. Depois é nunca é uma leitura emocionante e leve que acompanha a saudade de quem perdeu alguém querido. É uma reflexão sobre a importância de não adiar afetos, afinal, depois é nunca. E ele diz: “O romantismo saiu de cena e deu lugar à gentileza”.

Stan Lee três biografias do criador de heróis da Marvel, que morreu aos 95 anos em 2018, acabam de sair no Brasil. Um é do brasileiro Roberto Guedes com o título de “Senhor Maravilha”(Noir, R$69,90, 2021) um fã apaixonado por Stan que conta, resumidamente a sua vida e o leitor vai acompanhar os primeiros passos do garoto que recitava Shakespeare e sonhava em realizar coisas. “A espetacular vida” (Agir, R$55,93, 2021), de Danny Fingeroth faz um retrato extenso e dramático do criador dos heróis e que trabalhou com ele dentro e fora da MarvelA vida, a obra, os sucessos e as polêmicas do maior ícone do Universo Marvel seja lá o que você pensa que sabe sobre Stan Lee ― ou mesmo se não o conhecer muito bem  esta biografia dá um pouco mais de dimensão e profundidade ao homem e às suas conquistas e mostra que não importa qual era a sua opinião: há mais nessa história do que você imaginava. O movimento iniciado por Lee, que cresceu além das expectativas mais absurdas de todos, tem uma história fascinante, tão estranha e improvável quanto qualquer aventura de mutantes sobre-humanos e homens-aranhas que a Marvel tenha contado. Há ainda o livro de Abraham Riesman escreveu “Invencível- a ascenção e a queda de Stan Lee”(Globolivros, R$69,90-2021), uma profunda reportagem que desbarata o marketing e mentiras em torno do biografado. Conheça a história definitiva e sem meias-verdades do icônico artista e empreendedor que redefiniu a cultura pop, tarefa que lhe cobrou um alto custo na vida pessoal. Stan Lee foi editor-chefe da Marvel por três décadas, onde lançou personagens inesquecíveis, e, com sua paixão e personalidade extravagante, salvou mais de uma vez a indústria dos quadrinhos da extinção.Contudo, a carreira de Lee foi repleta de fracassos monumentais, controvérsias e inimizades amargas. Lee jamais separou sua vida pessoal da profissional e era especialista em criar uma mitologia em torno de si mesmo.Para traçar um retrato fiel do ser humano por trás do personagem, Abraham Riesman, um dos maiores jornalistas culturais da atualidade, realizou mais de 150 entrevistas e investigou milhares de páginas de arquivos particulares liberados pela primeira vez. Em um texto empolgante, Riesman relata os triunfos e os equívocos da vida de Stan Lee e como, com seu talento — e uma dose generosa de loucura —, ele moldou o mundo pop como o conhecemos.

LAZER

Com as fronteiras se abrindo para brasileiros a sugestão é viajar pelos países da América do Sul e da América Central, certamente mais baratos em tempos de dólar muito caro, de acordo com o World Travel Awards  que premia os melhores do turismo no mundo. A Argentina é o destino de maior destaque da América do Sul, principalmente Bariloche mesmo sem a neve. Na cidade, o lago Nahuel Huapi é top no verão (mas as praias cariocas são mais animadas e em português).

O Uruguai está bombando e foi reconhecida como destino emergente no continente. Com as fronteiras reabertas aos brasileiros o país tem boa comida, belas praias (e agitadas) como Punta del este e, principalmente, a encantadora e antiga Colonia del Sacramento, além da capital Montevidéu, reconhecida como o destino  emergente. O Rio foi coroado pelo segundo ano no World Travel como melhor destino para esportes com suas praias, trilhas, florestas e montanhas. A cidade já venceu 16 vezes como melhor destino da América do Sul.

O concurso cita ainda Peru, o melhor em culinária e cultura e eleito como joia da gastronomia; Bogotá, capital da Colômbia, foi eleita o melhor destino da América do Sul e sua ilha de San Andrés conquistou o primeiro lugar como lugar de praia enquanto Cartagena é o melhor para lua de mel. É ainda o melhor destino  LGBT e destaque  para viagem de jovens e cruzeiros. A Costa Rica é o melhor destino da parte continental da América Central, pois sendo banhado pelos oceanos Atlântico e Pacífico tem paradisíacas praias, além de ser detentor de 5% da biodiversidade do planeta. Com mais de 60 vulcões (sete ativos) tem ainda santuários ecológicos. No México tem também maravilhosas praias, principalemente em Cancún e a ilha de Cozumel, além de ter o Golfo da Califórnia, patrimônio mundial da Unesco, conhecido como “aquário do mundo”.

A ilha da Jamaica é conhecida como a “joia do Caribe” e venceu  em aventura e natureza. As cachoeiras do rio Dunn foram reconhecidas como a melhor atração turística de aventura. E Cuba venceu fácil como melhor destino cultural do Caribe com seus prédios coloniais, carros da década de 1950 e museus que contam a história do país. As cores vibrantes e as músicas calientes da capital Havana convidam o turista a passear a pé pelas ruelas do centro histórico e se encantar com catedrais, praças, bares, restaurantes e espaços culturais.

EXPOSIÇÃO

Centro Cultural Hélio Oiticica – Dois exemplares das famosas instalações “Penetráveis”, nunca montadas por Hélio Oiticica, reaberta após a pandemia, estão entre a cinco obras do artista que o centro municipal de arte com seu nome expões a partir de hoje.  “Subterranean Tropicalia Projects PN10” (1971) ficará do lado de fora do prédio, e “Cosmococa Programa in Progress CC2 Onobject versão privet interna (1973), feita com Neville d’Almeida dentro. Rua Luís de Camões, 68 (2242-1012). Seg. a sáb, das 10h às 18h. Grátis.

XINGU EM 360º – mergulhar no Rio Xingu e na vida de populações ribeirinhas sem sair da cidade é a proposta de experiência imersiva de “O jardim da vida” no Centro Cultural Correios. Filmado em uma câmera de 360º, um documentário de 14bminutos é projetado em grande escala em caslos individuais para os visitantes que recebem óculos de realidade virtual para fazer a viagem. Rua Visconde de Itabortaí, 20, Centro. Ter a sáb, das 12h às 19h. Grátis. Até 4 de dezembro.

FOTOS

Instituto Moreira Salles 410 maravilhosas fotos de Custódio Coimbra já fazem parte do acervo de dois milhões do IMS que conta também com  as de Evandro Teixeira, Walter Firmo, Marc ferrez, Marcel Gautherot, José Medeiros, Otto Stupakoff e David Zing. Custódio, em seus 43 anos de carreira o fotógrafo fotografou o Rio em suas diversas contradições. Uma de seus incríveis registros é o das torres da igreja da Penha que parecem segurar uma enorme lua cheia. Outras: manifestações pela Anistia, em 1979, na Avenida Rio Branco; dos surfistas de trem na Central do Brasil, em 1994; ou da premiada imagem de um plástico preso À cauda de um boto, na Baía de Guanabara, em 2015. O fotógrafo tem dois livros publicados, Rio de Cantos 1000 (2009) e Guanabara espelho do Rio (2016), em parceria com sua falecida mulher, Cristina Chacel.

PODCASTS

A Malu tá on: a jornalista Malu Gaspar retorna ao universo de podcasts, agora pelo GLOBO, com A MALU TÁ ON, um programa semanal de entrevistas sinceras e diretas com os personagens mais relevantes do país. Fernanda Montenegro entrevistada disse: “O governo Bolsonaro é uma forca”.Gaspar retorna ao universo

Não inviabilize (no Spotify ou @NaoInviabilize) no Twitter o podcast de Déia Freitas com histórias divertidas e inspiradoras. O canal Não Inviabilize é um espaço de contos e crônicas, um laboratório de histórias reais. Aqui você ouve as suas histórias misturadas às de Déia; Picolé de Limão – histórias do cotidiano, ciladas, trapaças, muita história revoltante.

Copo ½ CheioFe Cortez . O Copo ½ Cheio é a proposta de um novo olhar. Um podcast apresentado pela ativista ambiental, palestrante, comunicadora e idealizadora do Menos 1 Lixo – que promove o ativismo e a inserção de práticas sustentáveis no dia a dia (com seu copinho retrátil que simboliza a causa) Fe Cortez, sobre esperança ativa, que vai investigar como podemos criar um novo mundo a partir de novas visões para enxergar esse mundo. A cada semana, Fe e o escritor, consultor e especialista em design pra sustentabilidade, André Carvalhal, comentarista especial dessa primeira temporada, irão receber convidados para te guiar por uma jornada propositiva de regeneração humana e da natureza. Afinal, o futuro desejável começa hoje! No Spotify.

AbusoGloboplay. De Ana Paula Araújo que estreou  reunindo depoimentos de fortes e emocionantes mulheres vítimas de violência sexual. Conduzido com competência pela jornalista.

RÁDIO

Rádio Batuta do Instituto Moreira SalesNo tabuleiro da baiana: o primeiro episódio do programa estreou ontem sob a batuta de Maria Bethânia e que ela dedicou ao irmão Caetano Veloso “que me ensinou Clarice Lispector e o blues, com suas vozes extraordinárias”.  O episódio intercala canoes como “Pirate Jenny” (Nina Simone), “Strange Fruit” (Billie Holiday) e “Alabama Blues” (J.B. Lenoir) e trechos de romances, contos e crônicas de Clarice Lispector declamados por Bethânia. Ao final do episódio, Mahalia canta “Summertime”, a mesma versão que a baiana ouviu adolescente. A cantora também foi eleita para a Academia Baiana de Letras. Parceria de Bethânia com Eucanaã Ferraz, “Tabileiro” terá seis episódios disponibilizados rodas as quintas-feiras. Ela escolheu canções e os autores, e ele selecionou os trechos declamados por Bethânia. Haverá episódios dedicados à obra poética e musical de Vinicius de Moraes, à paixão de Carlos Drummond de Andrade e Chico Buarque pelo Rio, e os poetas portugueses. Caetano vai dividir um episódio com versos de Maiakóvski, Rimbaud e Byron traduzidos pelo poeta concretista Augusto de Campos. Haverá ainda um episódio sobre o Brasil, com versos dos modernistas Mário e Pswald de Andrade e de outros intelectuais comlo o líder yanomani Davi Kopenawa e a arquiteta Lina Bo Bardi e canções de Milton Nascimento, Cazuza, Luiz Gonzaga e Nana Caymmi.

DANÇA

20h Quartas e quintas-feirasPor onde ela vai : espetáculo de dança contemporânea ontando histórias de diferentes pessoas por meio de 19 canções de Maria Bethânia. De acordo com os bailarinos “há sempre alho a mais na obra de Bethânia que precisa ser dançado”. O espetáculo está até 25 de novembro no Teatro Cândido Mendes, em Ipanema. Ingresso, a partir de R$25.

19hsextas, sábados e domingosMercedes: começa hoje a quarta temporada do espetáculo que conta a história da primeira bailarina negra do Theatro Municipal do Rio. Mercedes Ignácia da Silva Krieger, nascida em 1921, foi pioneira na dança moderna brasileira e uma das maiores representantes da cultura afro do país. No SESC Copacabana. Ingresso:R$30.

MÚSICA

Lady Leste – os vídeos de Gloria Groove (o paulistano é Daniel Garcia de nascimento) têm mais de meio bilhão de visualizações e suas redes mais de 5 milhões de seguidores. Com status de estrela aos 26 anos, ela completa 20 anos de carreira, seis deles como drag queen, No hall das maiores cantoras do Brasil, lança seu segundo álbum. Desde os seis anos trabalha em publicidade, foi da segunda edição do Balão Mágico, ator de nivela, dublador, brilhou na versão teatral de Hair atpe que chegou ao hip-hop e orap de Gloria Groove.. Com 12 para 13 anos assitiu ao primeiro show de uma drag queen Tchaca. Acompanhou o reality RuPaul’s Drag Race e mergulhou na história de vez. E, claro, seguiu Madonna, Lady Gaga. Quando percebeu que as drags dominavam a festa, foi sua escolha, a drag cantora. E Beyoncé a sua musa. Fez cover de Justin Bieber e Bruno Mars de terninho. Até que gravou Dona que está em seu álbum de estreia e gravou um clipe e quase seis anos depois ultrapassa os 3 milhões de ouvintes mensais no Spotify e meio milhão de visualizações no YouTube. Este ano, compôs com Ludmila e Thiaguinho. E doe Lady Leste já lançou duas faixas: Bonekinha e A queda. É forte concorrente no Show dos Famosos no Domingão com Huck da Globo, terá um line-up no Rock in Rio 2022. E ele diz que drag queen o liberta.

Nu com a minha músicao álbum de Ney Matogrosso se inspira numa canção de Caetano Veloso, de 1981, sobre os tempos em que grande artistas da MPB levantavam uma grana fazendo turnês pelo estado de São Paulo. Mas Ney, aos 80 anos, não pretende montar um show novo para divulgar o disco e continua com o espetáculo “Bloco na rua”, que estreou em 2019 e foi interrompido pela Covid 19. Da banda participam o guitarrista Ricardi Silveira, o violonista Marcello Gonçalves, o tecladista Sacha Amback e o pianista Leandro Braga. Entre as canções estão “Sua estupidez”, clássico de Roberto e Erasmo Carlos; “Quase um segundo”, gravada pelo autor Herbert Vianna e por Cazuza; “Espumas ao vento”, de ccioly Neto e foi sucesso com Fagner, Ney gravou quase como um tango:; “Faz um carnaval comigo” (Jade Baraldo e Pedro Luís); “Boca” (rafel Rocha), de sexualidade aflorada; “Estranha toada” (Martins e PC Silva) e “Se não for amor eu cegue” (Lula Queiroga e Lenine).

Your song saved my life (Sua canção salvou minha vida). O U2 entrou no TIK TOK, anunciando a nova música  criada para o filme de animação “Sing 2” que estreará     em 21 de dezembro. Assim como no filme original, a história gira em torno de uma turma de animais cantores – entre eles, Clay Calloway, um leão do rock dublado por Bono, vocalista do U2. A sequência musical  de 2016 traz de volta personagens do primeiro filme como a coala na voz de Matthew McConaughey, a porca na de Reese Whiterspoon, a porco-espinho de Scarlet Johansson, o gorila de Taron Egerton e a elefanta de Tori Kelly. A turma vai a um megashow do lobo de Bobby Cannavale.

Nelson Freire aos 77 anos, nosso pianista, uma dos maiores músicos do século XX,   se foi e com uma depressão para a qual, certamente, contribuiu a situação cultural em que vivemos neste desgoverno. Mas Nelson nos deixou uma obra em tom maior, principalmente, seu predileto repertório romântico, tendo gravações notáveis de Schumann (“Concerto em lá”, recomendação do maestro Karabtchevsky), Chopin e Brahms, mas jamais esquecendo do Brasil: em 2012, lançou “Brasileiro: Villa Lobos&Friends “ (vencedor do Grammy Latino de 2013, de melhor álbum de música clássica).

Vou ter que me virar a Banda Fresno, um dos maiores nomes do rock brasileiro e com 20 anos de carreira, lança hoje este álbum com participação de Lulu Santos até americanos como o cantor, instrumentistae produtor Scarypoolparty e a guitarrista Yvette Young. Em março (quando estreia o show do disco) a banda estará no Lollapalooza. Eles abriram um canal no Twich para fazer lives e investiram no lançamento de 290 singles antes de soltar o álbum. Lucas Silveira é vocalista, Thiago Guerra o baterista e Gustavo Mantovani é guitarrista...

SHOWS e On Line

HOJE

19hFestival Cantares: Hoje, o barítono Homero Velho e o pianista Ricardo Ballestero se apresentam na Sala Cecília Meireles com um programa todo dedicado a Franz Schubert. O espetáculo será presencial com transmissão pelo YouTube da Sala e pela TV Alerj. PROGRAMA: Franz Schubert (1797-1828)Winterreise, D. 911 (poesia de Wilhelm Müller 1794-1828):1.Gute Nacht;2. Die Wetterfahne;3.Gefror’ne Tränen; 4.Erstarrung; 5 Der Lindenbaum; 6. Wasserflut; 7.Auf dem Flusse; 8. Rückblick; 9.Irrlicht; 10.Rast; 11.Frühlingstraum; 12.Einsamkeit; 13.Die Post; 14.Der greise Kopf; 15.Die Krähe; 16.Letzte Hoffnung;
17.Im Dorfe; 18.Der stürmische Morgen; 19.Täuschung;20.Der Wegweiser;21.Das Wirtshaus; 22.Mut; 23.Die Nebensonnen; 24.Der Leiermann

 

Link para compra de ingressos (40,00): https://bileto.sympla.com.br/event/69748/d/113869

Sala Cecília Meireles segue o Protocolo de Segurança Sanitária elaborado pela FUNARJ, ratificado pela Secretaria Especial da Covid-19 do Estado do RJ e adotado pelo Governo do Rio de Janeiro, via decreto.

17hs Banca do Andrépoint de happy hour na Cinelândia faz hoje seu primeiro show de jazz depois da flexibilização da pandemia. A programação, gratuita, começa às 17h com um DJ, que comanda as carrapetas no intervalo da apresentação. O dono da banca é André Neves. Rua Pedro Lessa, esquina da Av. Rio Branco. Grátis.

 

22hs Circo Voador: show de Chico Chico (filho de Cássia Eller). Depois de três discos em parcerias e uma indicação ao Grammy Latino na categoria Melhor Canção em Língua Portuguesa, ao lado de João Mantiano, Chico Chico faz o lançamento de seu primeiro disco solo, “Pomares”. Rua da Lapa, s/nº, R$100.

 

SÁBADO

 

19hsFestival Cantares:  se apresentam Livia Nestrovski (voz) e Arthur Nestrovski (violão). Na Sala Cecília Meireles. O espetáculo será presencial com transmissão pelo YouTube da Sala e pela TV Alerj. Programa: Johann Sebastian Bach / Arthur Nestrovski :Sarabanda – parte 1; Robert Schumann, Christian Johann Heinrich Heine e Arthur Nestrovski / Elano de Paula e Dorival Silva (Chocolate)-Clara [Dichterliebe, I] / Canção de Amor; Robert Schumann, Christian Johann Heinrich Heine e Arthur Nestrovski / Tom Jobim e Vinícius de Moraes COLHEITA [Dichterliebe, II} / JANELAS ABERTAS; Robert Schumann/ Christian Johann Heinrich Heine / Arthur Nestrovski – Cais [Dichterliebe IV] / Perfume de Lírios [Dichterliebe, V]; Robert Schumann / Christian Johann Heinrich Heine / Arthur Nestrovski – Pra que chorar [Dichterliebe, VII]; Franz Schubert / Heinrich Friedrich Ludwig Rellstab / Arthur Nestrovski – Serenata; Camille Saint-Saëns / Arthur Nestrovski – Cisne; Arthur Nestrovski – Lost in translation; Arthur Nestrovski – Duas gatas; Zé Miguel Wisnik-Mais simples; Arthur Nestrovski – Bolero do Sim; Arthur Nestrovski -Amor maturado;  F.Sor F.Sor ArthurNestrovski – A passante; F.Sor / Arthur Nestrovski – Nas galerias; Francis Hime / Vinícius de Moraes- Anoiteceu; Johann Sebastian Bach / Arthur Nestrovski – Sarabanda – parte 2;  Franz Schubert /Mathaüs von Collin / Arthur Nestrovski – Outra noite

 Link para compra de ingressos (40,00): https://bileto.sympla.com.br/event/69750/d/113871

Sala Cecília Meireles segue o Protocolo de Segurança Sanitária elaborado pela FUNARJ, ratificado pela Secretaria Especial da Covid-19 do Estado do RJ e adotado pelo Governo do Rio de Janeiro, via decreto.

22hs Baird a dois: “Baird a Dois” é o show do duo formado pela atriz e cantora carioca Ana Baird (prestes a entrar no ar na próxima novela das 21h da TV Globo, “Um Lugar Ao Sol”, de Lícia Manzo), com longa experiência em musicais, e o seu marido, o baixista e violonista Cacau Ferrari. O casal vem se aprofundando há quase dez anos no desenvolvimento da sua parceria musical – ela como intérprete e pesquisadora de repertório, ele como músico acompanhante e diretor musical. Desta pesquisa, nasceu uma reunião inusitada de canções que reverenciam a Bossa Nova e flertam com o Jazz.No repertório, canções como “So in Love”, de Cole Porter e “Camisa Amarela”, de Ary Barroso, convivem amigavelmente com “Jardin D’Hiver”, de Henry Salvador  e “Amendoim Torradinho” de Henrique Beltrão, entre outras.Colaboração 
R$ 20,00  (+ R$ 2,50 taxa) em até 4x R$ 6,12Contribuições até 06/11/2021. Evento on line no YouTube.

DOMINGO

17hFestival Cantares: José Hue (tenor), Katia Baloussier (piano) e o quarteto de cordas formado por Felipe Prazeres (violino), Priscila Rato (violino), Daniel Albuquerque (viola) e Marcus Ribeiro (violoncelo)interpretam um programa dedicado à obra de Gabriel Fauré. O espetáculo será só presencial. Na sala Cecília Meireles.  PROGRAMA: Gabriel Fauré (1883-1924) – Cinq mélodies “de Venise” op. 58 (ciclo com poemas de Paul Verlaine), Mandoline, En sourdine, Green, A Clymène, C’est l’ extase, José Hue – Canto;Kátia Balloussier – Piano; Sonata para violino e piano n°1 em Lá maior, op. 13, I – Allegro,II – Andante, III – Allegro vivo, IV – Allegro quase presto, Priscila Rato – Violino, Kátia Balloussier – Piano;La Bonne Chanson op. 61 (ciclo com poemas de Paul Verlaine)- Une Sainte en son aureole, Puisque l’aube grandit, La lune blanche luit dans les bois, J’allais par des chemins perfides, J’ai presque peur, en vérité, Avant que tu ne t’en ailles, Donc, ce sera par em clair jour d’été, N’est-ce pas?, L’hiver a cessé

Link para a compra de ingressos (40,00): https://bileto.sympla.com.br/event/69751/d/113872

Sala Cecília Meireles segue o Protocolo de Segurança Sanitária elaborado pela FUNARJ, ratificado pela Secretaria Especial da Covid-19 do Estado do RJ e adotado pelo Governo do Rio de Janeiro, via decreto.

 

TEATRO

HOJE

Plataforma SymplaCartas libanesas: Eduardo Mossri faz apresentações gratuitas do monólogo, a partir de hoje até 21 de novembro. A peça, escrita a partir de cartas trocadas entre os avós de Mossri, terá depoimentos de Thelma Guedes e dos atores Bruni Cabrerizo e Guilhermina Libanio sobre histórias de suas famílias.

20h O Dragão : a peça do russo Eugène Schwartz, em montagem da Companhia Ensaio Aberto, e dirigida por Luiz Fernando Lobo, estreia hoje no Armazém da Utopia, declarado patrimônio imaterial cultural do Estado do Rio de Janeiro. O espetáculo é uma espécie de fábula para adultos sobre um povo que, dominado há séculos por um dragão, não conhece a liberdade. Armazém 6, Cais do Porto (2516-4893). Sex a seg, até 6 de dezembro. Grátis (retirada de ingresso pelo Sympla).

SÁBADO

20hSonhos para vestir’- Texto e atuação: Sara Antunes. Direção: Vera Holtz. A peça pretende estabelecer uma reflexão lúdica e poética sobre os sonhos a partir de divagações acerca de memórias entre o vivido e o imaginado. Sáb e dom.Gratuito, com retirada de ingressos via Sympla. Livre. Ate 7 de novembro.

21h De 5 a 10′: o projeto apresenta cenas curtas, com duração máxima de dez minutos, previamente filmadas num palco profissional montado na casa da atriz Ana Beatriz Nogueira, idealizadora e produtora da iniciativa. Participam do trabalho, que homenageia e arrecada donativos para artistas em situação delicada, nomes como Andrea Beltrão, Vanessa Giácomo, Analu Prestes, Eduardo Moscovis, Guida Vianna, Julia Lemmertz, Jackson Antunes, Louise Cardoso, Maria Eduarda de Carvalho, Zélia Duncan, entre outros.  Gratuito ou com ingressos colaborativos a partir de R$ 20, por meio do Sympla. 50 minutos. Até 27 de novembro.

DOMINGO

QUINTA-FEIRA

20hsAna e a tal felicidade: a peça estreou ontem inspirada no livro homônimo de Cris Pimentel. O espetáculo propor reflexões sobre a violência contra a mulher e terá debates aos domingos, após as apresentações. De quinta-feira a sábado, 20h.  Aos domingos, 19h.Teatro Sérgio Porto. Ingresso:R$30. Até 28 de novembro.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012