Centro de Imprensa do Maracanã é invadido por torcedores chilenos


Por Cláudia Souza*

18/06/2014


Polícia Militar tenta conter invasão de chilenos (Foto: Getty Images)

Polícia Militar tenta conter invasão de chilenos (Foto: Getty Images)

Mais de 100 torcedores chilenos, que não tinham ingresso para o jogo Espanha e Chile, marcado para as 16h, deste quarta-feira, dia 18, no Maracanã,  invadiram o Centro de Imprensa do estádio por volta das 15h. O grupo forçou uma das grades que circunda a área e destruiu parte do local de trabalho reservado a jornalistas brasileiros e  estrangeiros.  Duas paredes foram derrubadas, a porta principal foi danificada e áreas cercadas de vidro foram quebradas.

Funcionários do Comitê Organizador Local (COL) informaram que os chilenos circulavam pela área há algum tempo, sem se dirigirem para nenhum portão. Em certo momento, alguns deles afirmaram precisar de atendimento médico, distraindo parte das autoridades presentes, o que facilitou a invasão. Os torcedores chilenos, então, entraram pela área de estacionamento onde está localizado o espaço que abriga o centro de mídia, no qual há uma entrada que dá acesso ao estádio.

No tumulto, houve correria e gritos, mas os invasores foram controlados pelos seguranças do local. Pelo menos 85 pessoas foram detidas, segundo a Fifa, e podem ser deportadas pela Polícia Federal. De acordo com o Corpo de Bombeiros, cinco pessoas ficaram feridas na confusão e receberam atendimento médico. Uma senhora quebrou o braço e foi atendida na ambulância presente no local.

Os 85 detidos foram encaminhados para a Cidade da Polícia (no Jacaré, Zona Norte do Rio) e chegaram à delegacia, em três ônibus da Polícia Militar, por volta das 18h.

Repercussão no exterior

O assunto repercutiu negativamente em veículos de comunicação de vários países. Os jornais espanhóis “AS”, “Marca”, “Mundo Deportivo” e “Sport” deram grande destaque ao episódio. Todos apresentaram vídeos com imagens da invasão.

Contudo, o cônsul do Chile no Rio, Samuel Ossa, afirmou na madrugada desta quinta-feira, 19, que os torcedores chilenos detidos não são “delinquentes”, e sim “fanáticos pela paixão do futebol que se deixaram levar e cometeram um erro”.  Ossa disse que a invasão será avaliada em conjunto pelo consulado do país e pela Justiça brasileira.  “Há alguns desses torcedores que já vivem no Brasil, e isso também será avaliado”, assegurou o diplomata.

O consulado também vai avaliar como fazer o pagamento pelos estragos causados no local invadido, que será de responsabilidade dos invasores. Ossa ressaltou ainda que as relações entre Brasil e Chile devem continuar as “melhores possíveis”.

Os 85 chilenos, notificados a deixar o País em 72 horas, estão proibidos de retornar ao Brasil durante o período da Copa do Mundo. A informação foi divulgada pela Polícia Federal, na manhã desta quinta-feira, 19. As notificações  foram lançadas nos passaportes dos torcedores e na tarjeta de entrada dos chilenos. Os dados colhidos foram lançados no sistema de imigração da PF, constando o motivo da ação, o que possibilitará a inadmissão em território nacional durante o Mundial, caso algum deles tentem retornar ao país.

O Ministério da Justiça do Brasil anunciou que, caso não cumpram a notificação, os torcedores estrangeiros estarão sujeitos à deportação sumária pela Polícia Federal, com respaldo no Estatuto do Estrangeiro. O Juizado Especial Criminal (Jecrim) é o responsável pelo caso.

Violência

Em nota oficial, a Fifa afirmou que “antes do jogo Espanha x Chile no Maracanã um grupo de pessoas sem ingressos forçou de forma violenta a entrada no estádio, quebrando cercas e passando pela segurança. Eles foram contidos pela segurança e não chegaram aos assentos. A situação rapidamente foi controlada e pelo menos 85 invasores foram detidos de acordo com a policia militar. Os organizadores da Copa do Mundo da Fifa condenam esses atos de violência e tomarão as medidas necessárias.

Apesar de a Fifa afirmar que os torcedores não conseguiram chegar aos assentos, um grupo de invasores conseguiu chegar à beira do gramado pelo túnel de acesso e  invadiu a arquibancada pela escada que liga o campo aos assentos. O setor ficou repleto de pessoas sentadas nos degraus.

Chilenos e um argentino invadem arquibancadas do Maracanã (Foto: André Durão/Globoesporte)

Chilenos e um argentino invadem arquibancadas do Maracanã (Foto: André Durão/Globoesporte)

 *Fonte:globoesporte.globo.com, G1

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012