14 de agosto de 2022


Caso Henry recoloca tortura de jornalistas do jornal O Dia na mídia


14/04/2021


Vereador Dr. Jairinho.    Foto: VITOR BRUGGER/AM PRESS&IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

 

Dr. Jairinho é herdeiro político do pai, Coronel Jairo (Solidariedade), ex-deputado estadual, que também foi apontado como um dos políticos envolvidos com os criminosos.

Naquele ano, profissionais do jornal O Dia foram passaram por uma sessão de tortura durante sete horas e meia, após serem descobertos por milicianos que atuam na região da favela do Batan, zona oeste do Rio.

Disfarçados, uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal haviam se mudado para o local para fazer uma série de reportagens sobre atuação da milícia na região. Em um texto publicado na revista piauí, em 2011, o fotógrafo Nilton Claudino relembrou que um vereador, filho de um deputado estadual, esteve presente na sessão de tortura.

“A repórter reconheceu a voz de um vereador, filho de um deputado estadual. E ele a reconheceu. Recomeçou a porradaria. Esse político me batia muito. Perguntava o que eu tinha ido fazer na Zona Oeste. Questionava se eu não amava meus filhos.”

Na época, a Polícia Civil do Rio chegou a investigar o deputado Coronel Jairo seguindo a denúncia de que um de seus assessores, de nome “Betão”, havia abordado a equipe de reportagem antes da apuração jornalística começar.

O inquérito policial não encontrou elementos suficientes para indiciá-lo. Jairinho, que naquela época já era vereador, não foi oficialmente investigado.

Os profissionais foram submetidos a socos, pontapés, roleta-russa, choques elétricos, sufocamento com saco plástico e tortura psicológica.

No texto publicado pela piauí, Claudino conta ter sido obrigado a deixar sua mulher e os dois filhos e a abdicar da residência no Rio, vivendo escondido até hoje.

“Retomar a vida é difícil. Faço tratamento psicológico e psiquiátrico, tomo uma dúzia de remédios. Quase não vejo meus filhos, que estão crescendo longe de mim. Tenho agora um neto que mal conheço. Não soube mais nada da repórter e do motorista, sumiram. Esqueci dos amigos. Preciso de fotos para me lembrar do rosto de quem gosto. Mas me lembro nitidamente dos que me torturaram”, escreveu Claudino.

Fonte: PORTAL IMPRENSA

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012