Anunciados os vencedores da 36ª edição do Prêmio Vladimir Herzog


Por Igor Waltz*

02/10/2014


Com o caderno especial “Sangue Político”, de autoria do repórter Leonêncio Nossa, O Estado de S. Paulo foi o vencedor da 36ª edição do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos de reportagem na categoria jornal. A cerimônia de premiação será realizada no dia 29 de outubro Teatro da Universidade Católica (TUCA), em São Paulo, e será precedida da Roda de Conversa com os premiados, na manhã do dia 29, no Tucarena.
Um dos prêmios mais antigos do Brasil, criado na década de 70, dois anos após a morte do jornalista que leva seu nome nas dependências do DOI/CODI, o Herzog valoriza reportagens que tratam de desrespeito e atropelo aos direitos humanos. O concurso é organizado em parceria com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), entre outras entidades.
“Sangue Político” é o resultado de um esforço de reportagem que levou 17 meses de apuração. O repórter viajou a 14 Estados para colher material que revelou a existência de crimes políticos no país em plena democracia. O levantamento de homicídios foi feito em Tribunais de Justiça dos Estados, nos acervos de entidades de direitos humanos, nos arquivos de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), em delegacias de polícia e em cartórios.
O caderno, publicado no jornal e na plataforma online, mostrou, na ocasião, em outubro de 2013, 1.133 assassinatos nos últimos 34 anos – o que equivalia a um crime a cada 11 dias no país, e teve ampla repercussão nacional.
É a segunda vez que o Estadão ganha o prêmio Vladimir Herzog na categoria reportagem de jornal. Também de autoria de Leonêncio Nossa, em parceria com o fotógrafo Celso Jr, em 2011, o jornal foi vencedor com a série “Guerras Desconhecidas do Brasil”.

Conheça os vencedores:

– Artes: “Pátria Armada Brasil”, de Robson Vilalba, jornal Gazeta do Povo. Menção honrosa: “Foi Errado, eu sei”, de Laerte, na Folha de S. Paulo.

– Fotografia: “De herói a Vilão” de Marcelo Carnaval, O Globo.

– Jornal: “Sangue Político”, de Leonêncio Nossa, O Estado de S. Paulo. Menção honrosa: “Mapa da Ditadura em Brasília”, de Ana Pompeu, Correio Brasiliense; e “As confissões do coronel Malhães”, Juliana Dal Piva, O Dia.

– Revista: “Jurados de Morte: o drama de mais de 2 mil autoexilados no próprio país”, de Edson Sardinha, Congresso em Foco. Menção honrosa: “Envenenados”, Tiago Mali, revista Galileu.

– Rádio: “História de Flor”, de Hebert Araújo, Rádio CBN de João Pessoa/PB. Menção honrosa: “Brasil-Haiti: 10 anos da missão de paz da ONU, de Michelle Trombelli, Rádio BandNews FM/SP.

– Documentário de TV: “Na Lei ou na Marra: 1964, um combate antes do golpe”, de Tatiane Fontes, TV ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais). Menção Honrosa: “Pele Negra”, de Bianca Vasconcellos, TV Brasil/EBC.

– Reportagem de TV: “Caso Amarildo”, Mônica Marques, TV Globo/RJ. Menção Honrosa: “Tortura na Fundação Casa”, Valmir Salaro, “Fantástico” (Globo).

– Internet: “Dias de tolerância”, Rosanne D´agostino, Portal G1. Menção honrosa: “Imigrantes em São Paulo”, Fabiana Maranhão, UOL.

– Prêmio Hors Concours: “A sentença – 35 anos”, Cláudio Renato, GloboNews.

*Com informações de O Estado de S. Paulo e Abraji. 

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012