9 de agosto de 2022


Ana de Hollanda lança disco e está no Encontros da ABI hoje, 18/11


18/11/2021


Vivemos” e o novo disco de Ana de Hollanda

O Encontros da ABI com a Cultura, programa quinzenal das quintas-feiras on line, entrevista hoje Anna Maria Alvim Buarque de Hollanda, a Ana de Hollanda, cantora, compositora, produtora, diretora teatral, roteirista, atriz e dramaturga brasileira e que já foi Ministra da Cultura no governo Dilma Roussef. Ela sempre trabalhou em diversas atividades ligadas ao setor cultural como roteirista e produtora audiovisual e acaba de lançar seu quinto álbum, Vivemos, onde estão composições suas, após 10 anos desligada da área musical.

De família de artistas tem como irmãos Chico Buarque, Cristina Buarque e Miúcha que já nos deixou, sendo, portanto, tia da cantora Bebel Gilberto. Ela será entrevistada pelas jornalistas Regina Zappa e Zezé Sack, além da cantora Mariana Baltar. A apresentação é da jornalista Vera Perfeito. Assista pelo canal da ABI do YouTube.

Ana decifra músicas

Cantora desde sempre e gestora cultural que chegou a ocupar o Ministério da Cultura entre 2011 e 2012, Ana de Hollanda é, hoje, antes de tudo: letrista. Seu quinto álbum como cantora, Vivemos ( Biscoito Fino), é autoral com onze letras suas sobre músicas de parceiros variados. Ela diz que só escreve verso para uma melodia, sendo uma letrista que se inspira nas melodias enviadas pelos parceiros do que propriamente em histórias vividas ou imaginadas por ela. Ela decifra as músicas.

Da parceria com Marcelo Menezes surgiu “Fantasias”. Ela fez duas músicas do disco com o pianista e arranjador Leandro Braga. Uma é o samba “Primeira dama”, uma homenagem do compositor a Dona Ivone Lara, a quem o compositor acompanhou por muitos anos. A letra é escrita por Ana: “Eu contigo toquei a leveza do acorde/E de ti copiei pura inspiração/Sendo filho de leite, suguei tua fonte/Tateando as cordas, guiaste a minha mão”. A outra é a valsa “Berço vazio” que fala da perda de um filho. Ela se guiou pela dor na melodia para os versos: “Voo no tempo e chego/Ao berço vazio, olhos vazios”.

Um caso de amor é descrito na canção-título de “Vivemos”, parceria com a compositora Lucina. Também uma sofisticada música de Lucina, “Era tão claro” fala de uma noite insone: “Quatro da manhã/Quatro, sem manhã/Noite amassada em lençóis/Que não conseguem clarear”. Tem ainda “Só na canção” (2009), “Verão que ficou”, um bolero romântico do saxofonista mineiro Nivaldo Ornellas.  “Outono” é uma toada do compositor paulistano Lula Barbosa: “Meu amor eu tenho que partir/Não sou eu que invento o meu gostar”.

A melodia de Simone Guimarães inspirou Ana a falar da Amazônia em “Botucuxi”, inspirado no boto tucuxi, e nas lendas que o envolvem, do boto que vem fazer amor  O compositor paraense Nilson Chaves também despertou em Ana uma clássica canção de fim de amor, “O que eu deixei cair”. Uma história de amor estranha está no bolero “Jamais decifrei”,  parceria com Cristóvão Bastos.. É letra mais sofisticada do álbum: “Foi você/Foi talvez você/Foi talvez você que se desfez na multidão/Foi Luiz/Foi José Luiz/Ou uma mulher a me escapar com aflição”.

O primeiro disco de Ana é de 1980, e o segundo, “Tão simples”, de 1995, onde só era intérprete. Em “Um filme”, de 2001, lançou-se como letrista. Nos últimos dez anos, período em que compôs as canções de Vivemos, decifrar e letrar melodias deram esperança à cantora nesses anos de crise política. Vivemos foi registrado nesse seu período criativo. O piano e arranjos de Cristóvão Bastos, além do violão, violas e guitarra de João Lyra e percussão de Zé Leal, deram um resultado sofisticado, valorizando o estilo de cantar Ana que, por sua vez, valoriza cada detalhe musical.

Em “Sem fim” Ana de Hollanda decifrou sua própria música e, em poucos versos, rememorou a sua vida:“ Conheci a euforia/E o ausente de depois /Me nego a compreender/Anseio decifrar/Por que não mais ser simples/Assim”.

Entrevistadoras

Regina Zappa que trabalhou por mais de vinte anos no Jornal do Brasil e hoje apresenta o programa de entrevistas Estação Sabiá, na TV 247, no YouTube e é também escritora com mais de dez livros publicados.

Também entrevista Ana, a jornalista e produtora cultural Zezé Sack, editora do site Guantanamera sobre cultura cubana e que atuou na produção de Nasci para bailar, de Tetê Moraes, exibido no Festival Cuba Jazz dirigido por Chucho Valdez. Regina e Zezé são conselheiras da ABI.

E, por fim, a colega de profissão de Ana, a cantora e dançarina Mariana Baltar, com quase vinte na profissão e cujo quarto CD foi em homenagem a Aldir Blanc. Ela está quase formada em Fonoaudiologia.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012