30 de setembro de 2022


A língua solta e profunda do pré-modernismo brasileiro


23/11/2021


Visto a partir da atual condição institucional que o país atravessa, o movimento cultural do pré-modernismo brasileiro segue como uma proposta de vanguarda. De 1902 a 1922, a produção literária tratou de contar com linguagem popular as realidades regionais e a vida dos até então marginalizados do mundo burguês e pequeno burguês, ou seja, sertanejos, caipiras e mulatos, que são os nordestinos, campesinos e negros de hoje.

O pré-modernismo se caracterizou pela máxima “não sabemos o que queremos, mas sabemos o que não queremos”. Representou o inconformismo e a rebeldia diante das formas fixas e do bom comportamento das Letras em contraponto à certeza didática, aos métodos convencionais da escrita e às ideias fora do lugar. Despontava uma literatura nacional insubordinada a movimentos internacionais, como o caso do Futurismo do italiano Filippo Marinetti. Ivan Proença e o crítico Gilberto Mendonça Teles falam sobre o tema. Nesta terça-feira, dia 23, às 16 horas. Mediação da conselheira Maria Luiza Franco Busse.

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012