19 de agosto de 2022


A Bateria e o Som de Alfredo Dias Gomes


31/03/2021


Alfredo Dias Gomes Foto: site do músico

 

– Como foi para você perder um ídolo como Chick Corea? Fale do valor musical que identificava nele.
Chick Corea foi e sempre será meu maior ídolo.

No meu álbum “Looking Back”, de 2015, eu gravei três músicas dele: os clássicos “Spain” e “500 Miles High”, e a efervescente “Nite Sprite”. Esta última foi um desafio, por causa da dificuldade técnica para ser executada.

Como artista, ele foi completo. Atingiu um nível altíssimo como músico, compositor, arranjador e educador.

Acho que sua música ficará eterna, assim como Bach e Beethoven.

– Como está sendo pra você e sua família conviver com esses tempos tão difíceis da pandemia?

Minha filha mais nova mora comigo e a mais velha e meus netos moram bem pertinho da minha casa. Então, além das chamadas de vídeo, eles vêm sempre me visitar. Eu os recebo de máscara e com distanciamento. É uma situação atípica, mas necessária.

De qualquer forma, conseguimos estar juntos e isso ajuda a manter uma certa normalidade. Mas é claro que o sentimento de tristeza por tantas pessoas doentes e tantas vidas perdidas está sempre presente.

– Tem conseguido trabalhar? Tem algum projeto novo? Pode mostrar alguma coisa para o público da ABI?

Sim, estou trabalhando normalmente, já que tenho estúdio na minha casa.

Em 2020 lancei o álbum “Jazz Standards”, onde regravei clássicos do jazz, e fiz vários vídeos de divulgação para o meu canal do YouTube (https://www.youtube.com/c/alfredodiasgomes).

No final do ano passado comecei a compor para um novo álbum, esse totalmente autoral. Vai se chamar “Metrópole”.

Mantive o estilo jazzístico do último trabalho, sendo que nesse novo eu também toco os teclados, além da bateria.

Em fevereiro, comecei a gravar as bases do disco, no meu estúdio, com o baixista Jefferson Lescowich, seguindo todos os protocolos de distanciamento. Com a piora da pandemia, optei por gravar os metais remotamente. O trompetista Jessé Sadoc e o saxofonista Widor Santiago gravaram de suas casas e me enviaram os áudios via internet.

Agora vou finalizar o disco (mixagem e masterização) aqui no meu estúdio, junto com o engenheiro de som Thiago Kropf.

Acredito que no final de abril esteja tudo pronto para lançar o álbum nas plataformas de música.

O que eu tenho para mostrar, já que o disco ainda não está pronto, é um trechinho da gravação do Jefferson que eu filmei informalmente e postei no instagram:

https://www.instagram.com/p/CL2gRrWpBpD/

Siga a abi

© 2013 ABI - Associação Brasileira de Imprensa – todos os direitos reservados -Rua Araújo Porto Alegre, 71 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, Cep: 20030-012